História

Fundada em 1998, A CRITICAL Software é especializada no desenvolvimento de soluções de software e serviços de engenharia de informação para o suporte de sistemas críticos orientados à segurança, à missão e ao negócio de empresas.

Ajudamos os nossos clientes a assegurar que os seus processos críticos de negócio são realizados de acordo com os mais exigentes padrões de qualidade no que respeita à segurança do software, ao desempenho e à fiabilidade.

Os nossos produtos e serviços fornecem aos clientes a informação necessária para a gestão eficiente e segura dos seus ativos importantes, ajudando-os a alcançar um melhor desempenho nos negócios.

Ao longo dos anos a CRITICAL Software desbravou um caminho intenso e determinado, com base em conhecimento, criatividade e inovação. Temos vindo a trabalhar em inúmeros projetos bem-sucedidos com impacto real na vida das pessoas e das empresas.

Ambicionamos um futuro promissor. A excelência e a fiabilidade dos nossos serviços tornou-se a nossa imagem de marca, enfrentando as exigências e os desafios que são cada vez maiores.

A CRITICAL Software apoia clientes em diversos mercados, incluindo empresas de renome tais como: AgustaWestland (Leonardo), EADS, ESA, NASA, Thales Alenia Space, as agências espaciais Chinesa e Japonesa, Vodafone, Deutsche Telekom, PT, Portucel-Soporcel, Infineon, EDP, Enersis, CGD, BCI, BFA, Unimed, AES, BPI, SIBS, mCel, UNITEL e Bank of New York.

Renovámos a nossa certificação CMMI nível 5 em Portugal e estendemo-la à nossa subsidiária no Brasil, seguida pela renovação das certificações de qualidade EN ISO 9001:2008 TickIT e EN 9100 Revisão C.

Fomos listados pela revista Business Week no Top 500 das empresas com mais rápido crescimento na Europa.

Abrimos uma subsidiária na Alemanha, e criámos uma joint-venture, verticalla, com a Sauter Controls.

A CRITICAL Software foi a principal responsável pela validação independente de software para projetos da missão espacial EarthCare, da Agência Espacial Europeia, que permite a prevenção e mitigação de incêndios florestais, a monitorização de oceanos e a investigação sobre sistemas climáticos complexos. Participámos também no desenvolvimento de uma plataforma para o alargamento do espaço Schengen na União Europeia e fomos agraciados com o contrato para remodelação do sistema de emergência 112.pt.

Criámos subsidiárias no Brasil e em Moçambique e consolidámos a nossa presença em Angola, contando com uma equipa de desenvolvimento de negócio a tempo inteiro.

Lançámos a nossa primeira spin-off, a CRITICAL Links, com o lançamento mundial do premiado edgeBOX, seguida da CRITICAL Materials, CRITICAL Health, CRITICAL Manufacturing e iTGROW (em parceria com o Banco BPI).

Sustentamos os nossos objetivos de qualidade, sendo uma das poucas empresas no mundo a alcançar a certificação CMMI-SE/SW nível 5.

A CRITICAL Software foi a primeira empresa ibérica a receber a certificação de qualidade ISO 9001:2000 TickIT. Após esta conquista, conseguimos a certificação NATO/AQAP 2110 e AQAP 150 e fomos premiados com o CMMI-SE/SW Nível 3.

Criámos uma subsidiária no Reino Unido e escritórios em Lisboa e Porto (Portugal), deslocando a nossa sede para um edifício novo e maior, em Coimbra.

A CRITICAL Software lançou a primeira implementação comercial do software csXception™ e, tendo inaugurado uma subsidiária em San Jose, Califórnia, assinou o primeiro contrato com a NASA Jet Propulsion Lab. Mais tarde foi a vez da Agência Espacial Europeia (ESA) iniciar a sua colaboração com a CRITICAL Software (relacionamento que dura até aos dias de hoje) selecionando-a como case study para PMEs europeias que atuam no setor do mercado espacial.

Simultaneamente, o setor das telecomunicações crescia a bom ritmo com destaques para contratos assinados com a Angola Telecom e a Moçambique Telecom. Consequentemente, o volume de negócios a nível internacional superou o existente em Portugal.

A CRITICAL Software teve a sua origem na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Os três fundadores reuniram-se em 1996, quando eram estudantes de doutoramento em engenharia de computação.

Um ano mais tarde publicaram artigos técnicos em revistas especializadas que discutiam a vulnerabilidade dos sistemas Windows. Estes artigos atraíram a atenção dos operadores de negócios e de computação, uma vez que as falhas de software crítico eram uma grande preocupação no setor.

Rapidamente receberam um email propondo um contrato com a NASA, a agência espacial americana, para testar sistemas críticos em um dos seus laboratórios espaciais.